Construção civil

Morar com economia

Construções com aplicação de alumínio atendem à demanda por sustentabilidade, qualidade de vida e gestão de recursos

Ana Maria Camargo 18/10/2016
A+ A-

Nos centros urbanos uma pessoa passa, em média, mais de 80% da sua vida em ambientes fechados. E os atributos desses locais têm impacto direto na qualidade de vida. Ambientes mais agradáveis, com conforto acústico, bem iluminados e arejados contribuem não só para a comodidade do lar, mas refletem em alunos mais interessados nas escolas, profissionais mais produtivos nas empresas e pacientes com melhores evoluções nos hospitais. Mais conscientes dos impactos da construção, tanto na vida quanto no meio ambiente, os empreendimentos ecologicamente sustentáveis têm ganhado corpo no cenário brasileiro.

Mesmo com o encolhimento do mercado de construção civil, um dado chama atenção: no último ano cresceu 30% o uso do sistema de classificação Leed (Leadership in Energy and Environmental Design) no país. Os dados são do Conselho de Construção Sustentável dos Estados Unidos (USGBC — U.S. Green Building Council), presentes no relatório Leed em Ação: Brasil de 2016. “As pessoas estão começando a entender que além da responsabilidade social e ambiental, a economia é parte intrínseca da pirâmide”, explica Felipe Faria, diretor do GBC Brasil. Um exemplo foi a recente crise hídrica e, consequentemente, energética, enfrentada em São Paulo. Com a escassez de recursos e aumento das taxas, quantos não gostariam de ter apostado em sistemas fotovoltaicos de energia solar e captação de água da chuva? Segundo dados do GBC Brasil, há atualmente 1.120 projetos registrados e 360 projetos certificados. Apesar de o custo da construção ser de 1% a 7% mais caro, o investimento proporciona diminuição média de 9% no custo de operação e 30% de redução no custo de condomínio — e valorização na revenda na faixa de 20%.

Essa nova visão é que tem aberto o caminho para as construções sustentáveis no nicho residencial — o que antes era uma marca apenas de empreendimentos comerciais de alto padrão. A conquista por uma casa de Campinas (SP) do primeiro selo Leed for Homes de toda a América Latina — no nível prata e outorgada pelo USGBC (United States Green Building Council) — é um marco no setor de construção civil. “Sempre falaram que era impossível conquistar o selo internacional no mercado residencial e provamos que é possível, sim”, frisa Lourdes Printes, diretora-técnica da LCP Construções, responsável pela execução e consultoria ambiental do projeto.

O desejo de um ambiente sustentável para a neta recém-nascida foi o que motivou o proprietário da casa certificada pelo selo internacional Leed For Homes, localizada na cidade de Campinas. Ao procurar a engenheira Lourdes Printes, diretora-técnica da LCP Construções, o intuito era contar com apenas alguns itens básicos, mas ao longo do projeto surgiu o desejo de se alinhar aos parâmetros em busca do selo. Pioneira no segmento, Lourdes aponta que um dos principais fatores que contribuiram para as notas do processo foram as esquadrias de alumínio, com tecnologia da Viametal. "Minha maior preocupação era com a vedação e as esquadrias de alumínio ofereceram a vedação perfeita: estanqueidade contra chuvas, ventos fortes, vírus e bactérias. Sem falar da resistência e da beleza - são lindas", diz. No projeto, o metal ainda marca presença nos frames dos dez painéis fotovoltaicos instalados que geram 70% da energia da residência. Além de portas, maçanetas e grelhas para recolhimento de água pluvial. Com essa conquista, abre-se caminho para o crescimento de construções residenciais sustentáveis, onde estão os maiores índices de desperdício dentro da construção civil - aponta Lourdes. "Estamos elevando o nível da arquitetura nacional". (Divulgação/LCP Construções)
O desejo de um ambiente sustentável para a neta recém-nascida foi o que motivou o proprietário da casa certificada pelo selo internacional Leed For Homes, localizada na cidade de Campinas. Ao procurar a engenheira Lourdes Printes, diretora-técnica da LCP Construções, o intuito era contar com apenas alguns itens básicos, mas ao longo do projeto surgiu o desejo de se alinhar aos parâmetros em busca do selo. Pioneira no segmento, Lourdes aponta que um dos principais fatores que contribuiram para as notas do processo foram as esquadrias de alumínio, com tecnologia da Viametal. “Minha maior preocupação era com a vedação e as esquadrias de alumínio ofereceram a vedação perfeita: estanqueidade contra chuvas, ventos fortes, vírus e bactérias. Sem falar da resistência e da beleza – são lindas”, diz. No projeto, o metal ainda marca presença nos frames dos dez painéis fotovoltaicos instalados que geram 70% da energia da residência. Além de portas, maçanetas e grelhas para recolhimento de água pluvial. Com essa conquista, abre-se caminho para o crescimento de construções residenciais sustentáveis, onde estão os maiores índices de desperdício dentro da construção civil – aponta Lourdes. “Estamos elevando o nível da arquitetura nacional”. (Divulgação/LCP Construções)

TENDÊNCIA
Antonio Ramos, diretor-presidente da Viametal, fornecedora das esquadrias para o projeto da casa Leed for Homes, aponta que a cultura de construção no Brasil vem se modificando rapidamente. “Notamos a necessidade de investimentos em produtos para satisfazer essa mudança e agregar valor ao atender o apelo pela sustentabilidade.” Ele aponta que hoje não se constrói uma residência em condomínio, por exemplo, sem atentar para economia de energia, menos geração de resíduos na obra, maior iluminação natural, reuso de águas de chuvas, captação de energia solar para o aquecimento de água e mais recentemente geração de energia.

Mauro De Micheli, gerente de marketing de extrudados Alcoa América Latina, endossa: “A preocupação com a sustentabilidade das edificações é crescente em todo o mundo e no Brasil o assunto ganha cada vez mais importância. A certificação dessa residência comprova isso, reforçando que somos um dos quatro países que mais buscam a certificação Leed mundialmente”. A empresa também participa de projetos certificados e tem cases em São Paulo, como o Edifício Jatobá, com certificação Leed Gold e a aplicação de esquadrias Linha Unit Alcoa; e o Edifício Teoemp em São Paulo, também com Leed Gold, e aplicação de esquadrias Linha Kawneer AA201 BR.

Um hospital possui vida própria, funciona 24 horas por dia durante o ano. Por isso a fachada utilizada na expansão do Hospital Sírio Libanês foi pensada para ser sustentável e ter baixa manutenção. São 20 mil m2 de alumínio composto e 350 toneladas de alumínio, cujas vedações e perfis proporcionam conforto acústico aos pacientes, aponta Marlon Archas, diretor técnico da Tecnofeal. Os sub-módulos intercambiáveis possibilitam a retirada de um painel de vão de luz de um ponto para a instalação em outro. Caso a administração deseje alterar o layout do ambiente, pode ser modificado e instalado outro módulo. “Os perfis de alumínio foram projetados para encaixes precisos entre os módulos e a vedação suprindo a estanqueidade gerada através de gaxetas. Cada módulo possui 1,50 m por 4,20 m e pesa cerca de 350 kg contra 700 kg de outros projetos”, explica Archas. (Divulgação/Tecnofeal)
Um hospital possui vida própria, funciona 24 horas por dia durante o ano. Por isso a fachada utilizada na expansão do Hospital Sírio Libanês foi pensada para ser sustentável e ter baixa manutenção. São 20 mil m2 de alumínio composto e 350 toneladas de alumínio, cujas vedações e perfis proporcionam conforto acústico aos pacientes, aponta Marlon Archas, diretor técnico da Tecnofeal. Os sub-módulos intercambiáveis possibilitam a retirada de um painel de vão de luz de um ponto para a instalação em outro. Caso a administração deseje alterar o layout do ambiente, pode ser modificado e instalado outro módulo. “Os perfis de alumínio foram projetados para encaixes precisos entre os módulos e a vedação suprindo a estanqueidade gerada através de gaxetas. Cada módulo possui 1,50 m por 4,20 m e pesa cerca de 350 kg contra 700 kg de outros projetos”, explica Archas. (Divulgação/Tecnofeal)

DIFERENCIAL
O alumínio é um material fundamental dentro da competitividade de desempenho e, claro, sustentabilidade. Segundo a European Aluminium Association (EAA), fundamentalmente três características do alumínio se destacam para que seja considerado “material sustentável”: 100% reciclável, sem perda de qualidade; ciclo de vida “cradle-to-cradle” (berço ao berço); alta durabilidade. Como aponta Magda Reis, consultora para Construção Civil, da Associação Brasileira do Alumínio (Abal), “as características intrínsecas do metal e o desempenho técnico-construtivo do alumínio são fatores que o qualificam como material de escolha para utilização em construções de caráter sustentável”.

O engenheiro Arimateia Nonatto, gerente de engenharia e produtos da Perfil Alumínio do Brasil, aponta a importância da qualidade das esquadrias e o uso significativo do alumínio nas vedações. “A esquadria é o maior fator de conforto prestacional aliado à satisfação estética. As persianas integradas, grandes esquadrias, sky-lights, guardacorpos, fachadas ventiladas, módulos de captação solar, são importantes e indispensáveis componentes num projeto com vistas a certificação”, diz. Lourdes reforça que nos últimos dez anos o mercado brasileiro de fornecedores de alumínio passou por um importante processo de desenvolvimento. “Se não houvesse uma oferta de esquadrias de alto desempenho por aqui eu teria que importar para alcançar as necessidades do projeto”, aponta.

Ela ainda fala que é muito importante esse movimento para a construção residencial, pois é nesse segmento que ocorrem as principais irregularidades e os desperdícios. Giuliano Fernandes, gerente de desenvolvimento de mercado e inovação da Companhia Brasileira do Alumínio (CBA), confirma a análise. “Apenas economicamente falando (sem contar benefícios ambientais), é possível indicar que o Brasil tem potencial de passar por grande evolução no padrão construtivo”, diz.

Na Alemanha, a Novelis participou da elaboração do centro de treinamento de Stiebel Eltron, certificado neste ano pelo German Sustainable Building Council com o DGNB Platina. Foram escolhidas chapas de alumínio pré-pintadas ff2® para a fachada de alumínio escuro combinada com as duas grades de vidro na frente do prédio. O alumínio impressiona por sua resistência, mesmo sob condições climáticas extremas. Além disso, a possibilidade de desmontagem completa e a reciclagem dos materiais da fachada levaram à escolha do metal leve. (Divulgação/Novelis)
Na Alemanha, a Novelis participou da elaboração do centro de treinamento de Stiebel Eltron, certificado neste ano pelo German Sustainable Building Council com o DGNB Platina. Foram escolhidas chapas de alumínio pré-pintadas ff2® para a fachada de alumínio escuro combinada com as duas grades de vidro na frente do prédio. O alumínio impressiona por sua resistência, mesmo sob condições climáticas extremas. Além disso, a possibilidade de desmontagem completa e a reciclagem dos materiais da fachada levaram à escolha do metal leve. (Divulgação/Novelis)

ENERGIA
O Gesconmat, programa da USP e do Sindicato da Indústria de Construção Civil do Estado de São Paulo, estudou o crônico desperdício de materiais na construção de residências no país, que chegou a 28% em alguns casos, causado principalmente por gestão inadequada, defasagem de tecnologia no método construtivo ou materiais empregados e educação da mão de obra. “O alumínio em funções de escora e formação do concreto estrutural possui enorme vantagem por sua durabilidade, além de facilidade de transporte e montagem, leveza e flexibilidade geométrica”, exemplifica Fernandes.

Um dos principais benefícios do alumínio é propiciar maior eficiência energética residencial — o que se torna muito estratégico dentro de um plano de economia. Estudos do Rocky Mountain Institute, sediado nos EUA e referência mundial em educação sobre edificações mais inteligentes, apontam que dentre as mais relevantes despesas totais de uma família, a com energia residencial (para climatização, iluminação e uso de aparelhos elétricos) se destaca.

“O metal permite o desenvolvimento de diversos produtos eficientes energicamente que contribuem para a sustentabilidade por meio do uso de perfis com thermal break e vidros duplos ou triplos, entre outros”, enumera Micheli, da Alcoa. Lucínio Abrantes dos Santos, vice-presidente de relações institucionais da Associação Nacional de Fabricantes de Esquadrias de Alumínio (Afeal), endossa: “Fachadas inteligentes, com brises automáticos que melhor aproveitam a luminosidade do exterior, aumentam o sombreamento e evitam a incidência do sol”. A aplicação em fachadas já tem seus benefícios bem difundidos no mercado, uma vez que o melhor aproveitamento da iluminação natural contribui para economia de recursos com energia elétrica, além do alto índice de conforto acústico obtido com as esquadrias de alumínio — e também conforto térmico, que reduz o uso de ar condicionado.

Uma aplicação crescente, incentivada pelas políticas públicas da microgeração de energia, é a instalação de painéis fotovoltaicos inclusive em construções já concluídas. Nonatto, da Perfil, que produz pré-estruturas para sistemas de encapsulamento de painéis solares, sinaliza que o futuro é a integração das duas aplicações, com as fachadas fotovoltaicas. “A vantagem é transformar uma energia dispersa em força elétrica conduzida e quantificada. Seu crescimento está vinculado ao nível de desenvolvimento das cidades”, sinaliza.

O Eurobusiness, em Curitiba, é o primeiro edifício comercial da região Sul e o segundo do Brasil a receber a certificação nível Platinum pelo LEED, a mais alta do sistema. As 40 toneladas de perfis de alumínio em 4.100 m² de fachada Structural Glazing no sistema stick respondem por uma boa parcela da eficiência térmica e energética do edifício. Graças ao sistema Atlanta da Belmetal há maior aproveitamento de iluminação natural e redução de até 50% no consumo de energia. Os vidros utilizados são do tipo laminado low-e, que melhora significativamente a eficiência térmica do conjunto - o que impede a transferência térmica entre dois ambientes, filtrando os raios solares, sem impedir a transmissão luminosa. “O único material tecnicamente viável hoje para a execução deste tipo de esquadria é o alumínio”, aponta a engenheira Melissa Sonae, coordenadora de projetos da Perfilarc, responsável pela industrialização e instalação da fachada. Ela ainda ressalta que o alumínio utilizado na produção dos lingotes provém, quase que na sua totalidade, de material reciclado. (Divulgação/Belmetal)
O Eurobusiness, em Curitiba, é o primeiro edifício comercial da região Sul e o segundo do Brasil a receber a certificação nível Platinum pelo LEED, a mais alta do sistema. As 40 toneladas de perfis de alumínio em 4.100 m² de fachada Structural Glazing no sistema stick respondem por uma boa parcela da eficiência térmica e energética do edifício. Graças ao sistema Atlanta da Belmetal há maior aproveitamento de iluminação natural e redução de até 50% no consumo de energia. Os vidros utilizados são do tipo laminado low-e, que melhora significativamente a eficiência térmica do conjunto – o que impede a transferência térmica entre dois ambientes, filtrando os raios solares, sem impedir a transmissão luminosa. “O único material tecnicamente viável hoje para a execução deste tipo de esquadria é o alumínio”, aponta a engenheira Melissa Sonae, coordenadora de projetos da Perfilarc, responsável pela industrialização e instalação da fachada. Ela ainda ressalta que o alumínio utilizado na produção dos lingotes provém, quase que na sua totalidade, de material reciclado. (Divulgação/Belmetal)

DESIGN
E quem pensa que economia significa abrir mão de beleza, está enganado. Esse é um dos fatores que inclusive favorecem o alumínio frente aos sucedâneos. O setor tem apostado no desenvolvimento do metal e suas ligas e na capacidade e qualidade de extrusão e laminação, assim como novos tratamentos superficiais. “Aumentou o número de opções que suprem as exigências decorativas dos projetos e o alumínio tornou-se imprescindível na obras, pois pode ser moldado em diversos formatos com custo bastante competitivo”, analisa Marlon Archas, diretor técnico da Tecnofeal.

Fernando Wongtschowski, gerente de ­Marketing e Desenvolvimento de Produtos da Novelis América do Sul, confirma a crescente demanda por design aliado à sustentabilidade. “Seja qual for a ideia do arquiteto, o construtor consegue concretizá-la devido à maleabilidade do metal, e técnicas avançadas de pintura e anodização oferecem uma ampla gama de acabamentos”. Alinhada à demanda do mercado, a Novelis realizou uma recente adição ao seu portfólio com o Coloris™, uma solução de alumínio pré-pintado para fachadas e telhados, fabricado usando um processo de revestimento de chapa ecológico que consome menos tinta.

FUTURO
O mercado já assimilou que é uma tendência irreversível, visto que materiais e energia estão cada vez mais escassos e caros, sendo assim, torna-se quase uma obrigação otimizar. Em Pelotas (RS), inclusive, está em construção um bairro inteiramente sustentável, o Quartier. O projeto prevê prédios ambientalmente corretos com consumo de energia e água reduzido para 10 mil habitantes. Francisco Vasconcellos, vice-presidente do Sindicato da Indústria da Construção Civil no Estado de São Paulo (Sinduscon-SP), sinaliza que a perspectiva global é de que a construção brasileira está melhorando, mas ainda há muito o que fazer no que compete a conscientização do mercado.

“O usuário ainda compara fatores como localização e preço ao adquirir um imóvel. É preciso um sistema fácil de ser compreendido de como essas características trazem mais vantagens”, diz.
Santos, da Afeal, conta que a entidade promove a conscientização e educação, estimulando que a construção de casas e empreendimentos atendam aos critérios de sustentabilidade — estímulos que se estendem, principalmente, aos materiais. Neste ponto, a arquiteta Magda Reis, reforça o compromisso dos principais fabricantes de alumínio do país, alinhados aos órgãos certificadores. “Estão em plenas condições de fornecer a ‘autodeclaração de perfil com conteúdo reciclado’, que comprova o caráter sustentável do material e contribui para a pontuação na busca da certificação ambiental”, diz. Assim, a indústria do alumínio de maneira prática e objetiva, reforça seu compromisso para o desenvolvimento da construção sustentável.

matcapa
Clique na foto para ampliar e confira os principais usos do alumínio em uma construção residencial
Assine nossa newsletter Receba as novidade da Revista Alumínio
Formulário de Newsletter